Tendências para 2022, legados para o futuro

Estamos vivendo tempos de enorme aprendizado, reorganizando-nos em todos aspectos diante da maior pandemia experimentada pela humanidade: pessoalmente, socialmente, profissionalmente, economicamente, politicamente. Não bastassem esses desafios, as soluções e expectativas que criamos para alguns deles, há muitos outros pontos que precisaremos resolver.

A ansiedade social, movida pela tecnologia, aumenta a velocidade das mudanças e propicia que a concentração dos recursos (financeiros, naturais, humanos) transforme também a cadeia de valores humanos. E como reflexo, precisamos encontrar novos caminhos para garantir a inclusão e participação de todos nesse processo pautado na inovação.

É impossível que consigamos listar neste único artigo todos os desafios que se apresentam em nosso horizonte. Pinçamos aqui alguns deles, entre tendências e constatações, que podem nos levar a refletir sobre alguns pontos que estão desenhando nosso futuro e já habitam o presente, diante da tamanha necessidade que temos de implementá-los.

B2B mais colaborativo

O pensamento colaborativo já é uma realidade para pequenos e médios empreendimentos, que são mais ágeis na percepção do impacto e na aplicação dos anseios de seus clientes na construção de seus produtos e serviços. O consumidor final [B2C] participa nessas empresas como cliente e apoio de decisão de forma imediata.

Já as organizações que produzem bens e serviços para outras empresas [B2B], percebendo a tendência de mercado de olhar para o usuário/consumidor, buscam alinhar o pensamento da liderança a uma cultura mais colaborativa e integrada entre pessoas, fornecedores e experiências diversas.

A colaboração das metodologias de experiência do usuário _ User Experience _ fez nascer o Costumer Experience _ CX, criando alavancas capazes de confrontar e desafiar as certezas de antes para que se pratique a escuta dentro do processo corporativo e produtivo. A capacidade de trazer a voz de mais pessoas para o centro da mesa, colaborando no processo decisório também das grandes empresas, é forte tendência para a melhoria das relações humanas internas da organização (o que se refletirá em âmbito social), dos produtos e dos serviços.

A era da curadoria

Passamos, não incólumes, pela era do FOMO [Fear of Missing Out]. O temor de estar “por fora” de qualquer assunto, especialmente nesse território de conteúdos tão esquecíveis quanto ligeiros que são as mídias sociais, trouxe a saturação de informações como um reflexo nocivo da era tecnológica.

Em prol da saúde mental, vemos ressurgir a era da curadoria.

A seleção de conteúdo de qualidade e a ‘autocuradoria’ é tendência, inclusive de novos negócios. A mudança experimentada nas gráficas e grandes revistas substituídas, gradativamente, pelo conteúdo digital dão lugar a novos nichos e clubes de informação com a curadoria de equipes especializadas. Os clubes de assinaturas de livros, de vinhos, de itens de decoração e mesmo de conteúdo distribuído pela internet — tem a tentativa de integrar novamente as pessoas, criando experiências “offline” em torno de temas “online”.

Derrubem os drones

A crise climática se torna pauta urgente. Inspirada na crise sanitária, o olhar para o clima faz despertar na sociedade a pluralidade para que ações coletivas sejam pensadas e construídas de forma coordenada.

Assistir a tudo de cima, como se fossemos um drone sobrevoando a todas essas urgências, de forma contemplativa e distante, não é uma alternativa.

É preciso que as políticas públicas estejam pautadas em metas desenhadas para conter os impactos ambientais, unindo a iniciativa privada em torno de compromissos práticos para que os critérios de ESG [sigla em inglês utilizada para sinalizar indicadores ambientais, sociais e de governança destinados ao mapa de investimentos financeiros responsáveis] não se limitem a tendências.

Potencial da floresta e da criatividade

Em linha com os desafios de aplicar as metas de ESG, no Brasil surgem novas oportunidades.

Não obstante todas as dificuldades relacionadas à proteção do meio ambiente, a criatividade dos empreendedores que acreditam no potencial da floresta nos convida para criar inovação aberta de impacto positivo.

Iniciativas que visam apoiar projetos de preservação de matas, o reflorestamento e a comercialização de créditos de carbono certificados são uma alternativa para que grandes empresas possam compensar suas emissões de carbono, até que os tão desejados ajustes no processo produtivo de bens e as mudanças na matriz energética para fontes geradoras de energia menos poluentes sejam, de fato, totalmente implementadas.

A demanda mundial por créditos de carbono move, ainda mais, a necessidade de preservação do meio ambiente.

Desafios para nós, brasileiros, apesar das oportunidades: zelar pelo coletivo, incentivar a construção de políticas ambientais e econômicas eficientes que permitam, não só a existência e o respeito das culturas tradicionais de preservação das florestas, mas o alcance de investimentos privados aos pequenos projetos, aumentando a conscientização da população e os impactos positivos. E claro: parar o desmatamento. Sem floresta, não há crédito.

--

--

--

Todo mês, 01 artigo da DUXcoworkers.com sobre os assuntos: pessoas e trabalho, economia e tecnologia e cidades inteligentes. #servicedesign #userexperience

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
DUXcoworkers

DUXcoworkers

Todo mês, 01 artigo da DUXcoworkers.com sobre os assuntos: pessoas e trabalho, economia e tecnologia e cidades inteligentes. #servicedesign #userexperience

More from Medium

TikTokers are creating a new philosophy of Bimboism for Gen-Z

Osasion Weekly Report #51(November 29th — December 5th)

Brent’s Young Manhood With Education and Real World

The Secure Edge: Daily Round-up of Infosec Blogs — Issue #9