Arquivo DUXcoworkers

Job to be done e design de experiência

Este artigo acompanha o episódio homônimo do Podcast UXcoffee.

A Era Digital deixou a vida mais corrida. Tudo parece ser “pra ontem”. Aliás, se é para ontem já há o risco de não servir. Melhor dizer que tudo é para agora, mas esse agora já não cabe nas agenda cheias de compromissos e reuniões e job to be done.

Job to be done. Há algum tempo, não muito, a metodologia “criada” por Clayton Christensen vem sendo festejada como o futuro “a ser feito”. Pode ser, por que não? Mas o que ela não fez e portanto não fará, é promover uma inovação na metodologia de trabalho.

E o motivo é bem simples: “job to be done” é uma tradução de Design de Experiência para o universo do Marketing.

Daria Shevtsova from Pexels

Do User para o Costumer

A tradução se fez necessária para que os profissionais do marketing assimilassem um processo de desenvolvimento já existente no UX (User eXperience). A partir de uma bibliografia consolidada, Christensen revisou a linguagem empregada na definição de vários processos, aproximando-o da terminologia utilizadas pelo pessoal do marketing e batizou sua tradução de Job to be done.

E não há nada de errado nisso. Nada. O que há são as diferenças. Porque user não é costumer. E vice-versa.

O usuário (user) é uma pessoa que tem uma necessidade, mas não uma ideia definida do que é preciso para satisfazê-la. O designer de experiência trabalha com essa pessoa que participa da evolução do produto e serviço desde sua concepção.

Já o cliente (costumer) sabe o que precisa para sanar a sua necessidade. Ele já tem o que vai consumir para se satisfazer. Essa pessoa entra no processo job to be done para validar o produto ou serviço que vai adquirir, não vai desenvolvê-lo.

Esta relação com as pessoas no desenvolvimento do projeto se faz através das pesquisas. É por elas que podemos conversamos com as pessoas, que as conhecemos e que temos acesso a insights por elas fornecidos.

Porque pesquisa, não tem uma. Têm várias. Certo?

Ou errado?

Não tem certo ou errado. Tem contexto. Depende do tipo de empresa, estratégia, valores e cultura, adota-se uma ou outra metodologia.

Quando falamos de job to be done e design de experiência como metodologia de desenvolvimento de projetos, o erro é julgar que uma é sempre melhor que a outra ou, pior, que a outra é evolução do uma.

Sem correria, sem pressa, sem ultrapassados. Só o contexto em que essas traduções são feita.

Todo mês, 01 artigo da DUXcoworkers.com sobre os assuntos: pessoas e trabalho, economia e tecnologia e cidades inteligentes. #servicedesign #userexperience

Todo mês, 01 artigo da DUXcoworkers.com sobre os assuntos: pessoas e trabalho, economia e tecnologia e cidades inteligentes. #servicedesign #userexperience